sábado, 11 de junho de 2016

Sobre a edição condensada de "Os Mistérios de Paris" (Eugène Sue) da Editora Eli



A célebre história de Rodolfo, o príncipe alemão que, após a trágica perda de sua filha, decide passar-se por homem do povo, a fim de levar auxílio e socorro à classe mais miserável de Paris. Esse é o mote de uma das obras mais populares da história da literatura universal: Os Mistérios de Paris, de Eugène Sue. 

***

Há muito tempo tinha vontade de ler Os Mistérios de Paris, do francês Eugène Sue, mesmo sendo tal obra desprezada pela crítica mais austera. Contudo, aclamada como folhetim dos folhetins, esta obra sempre despertou minha curiosidade. Conta-se que os doentes adiavam a morte para não perderem o folhetim do dia seguinte, que era acompanhado não só na França, mas em boa parte do mundo.

Sou apaixonado pela cultura folhetinesca. Queria ter vivido nessa época só para acompanhar os folhetins rsrsrs. Felizmente, hoje, temos muitas dessas obras reunidas em livro; e, embora muitos críticos menosprezem a cultura do folhetim, devemos lembrar que grandes gênios da Literatura fizeram carreira através dele, como Balzac, Dickens, Victor Hugo e muitos outros.

Les Mystères de Paris foi publicado pela primeira vez no Journal des débats, de 19 de junho de 1842 a 15 de outubro de 1843. Causou grande impacto na época, especialmente por ser o primeiro romance a reunir uma quantidade exorbitante de personagens de diferentes níveis sociais, e chamou a atenção de autores famosos como Karl Marx, Edgar Allan Poe e Victor Hugo, sendo este último o mais visivelmente influenciado (por conta d’Os Miseráveis).

Tudo isso era ou não motivo para ficar curioso sobre esse romance? O grande problema era encontrá-lo em português. A extensão da obra, de certa forma, deve ter contribuído para que as editoras não se interessassem em imprimir Os Mistérios de Paris. Mesmo assim, tanto no século XIX como no XX, a obra-prima de Sue foi publicada na íntegra em português, em vários volumes, como já era de se supor. O problema é reunir a obra completa, porque tudo o que encontrei nos sebos foram volumes avulsos, geralmente de edições diferentes, de maneira que, por exemplo, o 5º volume da editora x não é exatamente a continuação imediata do 4º volume da editora y. Nessas horas que faz falta não saber ler em inglês rsrsrs. A Penguin-Classics lançou The Mysteries of Paris, na íntegra, no final do ano passado, com quase 1400 páginas. Também já encontrei no Google Books a versão completa em espanhol, numa edição bem antiga em 5 volumes. Leio razoavelmente bem em espanhol, mas preferia já ter alguma noção do livro, para facilitar o processo. Daí, optei por ler uma edição brasileira que encontrei com texto condensado. De mais de 1000 páginas para 350, imagem aí! rsrsrs. Se eu soubesse...

O problema não era o texto ser condensado. Li Oscar e Amanda ano passado, nas mesmas circunstâncias, e foi maravilhoso! O problema foi a tradução estar horrível e a adaptação ainda pior. Portanto, fujam dessa edição condensada de Os Mistérios de Paris (Editora Eli, s/d). Ela só serviu mesmo para estragar minha experiência com a obra do Sue, pois além de ter inúmeros erros tipográficos, os tradutores/adaptadores tentaram inserir a trama completa em 350 páginas. Imaginem aí: cada página que passava, um novo personagem, uma história diferente, muitas vezes sem nenhuma conexão. Em algumas passagens, dava para perceber que a história corria violentamente (e que muitas cenas eram resumidas provavelmente); em outras, a história desacelerava em algum personagem secundário, fazendo ênfases que me pareciam desnecessárias. A impressão que tive foi de que foi um serviço muito mal feito mesmo, e estou falando da tradução/adaptação e não da obra do Sue. No mais, tive muita dificuldade de compreender o enredo, especialmente pelas quebras de continuidade e demais problemas da edição. Mas o pior, o pior mesmo, é que a trama central já não me causará nenhuma surpresa quando for ler a versão integral. A leitura desse livro pareceu-me uma chuva de spoilers e sinto-me profundamente arrependido de ter lido isso.

Não obstante a terrível experiência, pude absorver muita coisa da história, contudo, de forma muito confusa. Há muitos detalhes que ainda não entendi ou que me pareceram muito vagos, de maneira que não me sinto capaz nem de avaliar, muito menos de escrever uma resenha dessa obra. Fiquei bastante empolgado com a trama em si e decidido completamente a ler a versão integral (ainda que em espanhol), mas certamente não será algo para já. Sinceramente, queria esquecer tudo que li: quem morreu, quem se deu bem, quem escapou, quem se suicidou... e sobretudo o final! Minha gente, o final... necessito esquecer aquele final rsrsrs. Mesmo que deixe passar um tempo, provavelmente não esquecerei certos detalhes; por isso, estou experimentando uma fúria literária que nunca tinha sentido antes rsrsrs. Sinto-me literalmente roubado e, definitivamente, vou pensar MUITO antes de ler outra versão condensada, mesmo de algum outro livro indisponível na íntegra em português.

Finalmente, deixo meu apelo às editoras brasileiras: lancem Os Mistérios de Paris, na íntegra, e numa tradução decente, por favor, porque certamente é um livro que além de ser um dos mais importantes da história da literatura e ter influenciado tanta gente até hoje, merece sim ser redescoberto pelo público brasileiro.

Daniel Coutinho

*** 

SKOOB: http://www.skoob.com.br/usuario/1348798
Escreva para o blog: autordanielcoutinho@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário