sábado, 2 de dezembro de 2017

Cante Lá que Eu Canto Cá, de Patativa do Assaré - RESENHA #54



Cante Lá que Eu Canto Cá (1978) é a rapsódia da vida sertaneja. Não se trata de um livro composto para ser o que é, mas de uma conquista — literalmente falando — de seu próprio autor.

Quando o Centro de Documentação, Estudos e Pesquisas (CENDEP), responsável pela divulgação do trabalho de artistas populares da Região dos Cariris, idealizou a publicação de uma obra que sintetizasse a poesia popular nordestina, o nome de Patativa já era bastante cultuado. A ideia, a princípio, era reunir toda a obra do poeta de Assaré, mas logo percebeu-se a dificuldade do projeto, diante de alguém tão despretensioso no que diz respeito à publicação de sua lavra literária. “Nunca quis fazer profissão de minha musa”, dizia ele. Com apenas um livro publicado àquela altura e mais uma porção de folhetos avulsos dispersos aleatoriamente, a fonte mais segura de toda sua obra não era outra senão o próprio Patativa, que a sabia inteiramente de cor. Decidiu-se, pois, reunir a parte mais significativa da produção patativana, cabendo ao próprio autor selecionar e ordenar os poemas. Assim nasceu Cante Lá que Eu Canto Cá, o livro de todos os sertanejos.

Eis uma obra que é um verdadeiro portento da literatura nordestina. São mais de cem poemas compilados num livro que é uma amostra cabal do talento de Patativa. São inúmeros estilos e temáticas adotados pelo autor, que escreve desde glosas em linguagem matuta a sonetos rigorosamente metrificados. Mas o que prevalece mesmo no livro é essa preferência pelo registro oral da fala do caboclo nordestino, tornando-o ainda mais característico em seu propósito: cantar o sertão e o sertanejo. Mas o que Patativa não dispensa mesmo é a “rima”, a alma do poema, segundo ele, que chega a criticar o “verso branco” logo no poema de abertura “Aos poetas clássicos”.

Há tanta matéria no livro, que uma simples resenha não é capaz de abarcar a substância de Cante Lá que Eu Canto Cá. Mas passemos aos poemas narrativos, pelos quais tenho uma quedinha, e que constituem relevante espaço no conjunto da obra.

O humor é um elemento bastante significativo em poemas como “Maria Têtê”, que trata da infidelidade de uma mulher, na melhor veia cômica do autor. Têtê, mulher de Joge Sutinga, é uma bela caboclinha que inusitadamente começa a aparecer em casa com vários objetos achados; mas depois de dar a luz a um lindo loirinho de olhos azuis, fica evidenciada a real procedência desses objetos rs. “Tudinha” também tem certo chiste no relato de um homem, cuja amada o trocou por um palhaço. “O sonho de Mané Filiciano”, por sua vez, conta as desventuras de um homem que, após sonhar com o diabo, vê sua sorte despencar. “Pesão” também é um dos mais divertidos, provavelmente inspirado na figura real de um estudante baiano chamado Sacramento, dono de um pé de tamanho descomunal. Eis uma pequena amostra da leveza do humor de Patativa: “Para não andar descalço/E no pé botar um calço/Precisa fazer contratos:/Alguém me disse que foi/Um grande couro de boi/Para o seu par de sapatos.” (pág. 260).

Mas não pensem que o humor predomina neste livro! Infelizmente, Patativa privilegia temas tristes e sérios. Certamente foi isso o que mais me desagradou nessa leitura. Quem leu minha resenha de seus Cordéis, deve lembrar do que falei a respeito da imagem do “nordestino sofrido”, que aqui é muito mais evidente. Patativa parece ser um porta-voz do homem do campo que sofre; muitos de seus poemas são “ais” desesperados e apelativos; mas não podemos esquecer que estamos falando de alguém que esteve a vida inteira muito próximo da classe mais miserável de nossa região. Felizmente, como a querer equilibrar o bom tom de sua obra, movido por uma espécie de orgulho sertanejo, ele enaltece a vida no sertão e seus costumes, desprezando os recursos modernos da civilização em poemas como “Ingém de ferro” e expressando a mais sincera saudade de seu torrão em praticamente todos os poemas escritos no Rio de Janeiro, onde esteve em decorrência de uma enfermidade no pé.

Dessa parcela de poemas sofridos, contudo, destaco alguns que são realmente excelentes. “A morte de Nanã” é um dos mais tristes, constituindo-se no relato de um pai sobre a morte de sua filha na seca de 32. O clássico “A triste partida” dispensa comentários, por ser a composição mais célebre do autor e, provavelmente, o texto literário mais importante que já se escreveu sobre a questão do êxodo rural. “Mãe preta” é um dos meus favoritos, talvez por ser impregnado de uma atmosfera que transmite a nostalgia do eu-lírico; lê-lo vale por um aconchego numa noite chuvosa. “Flores murchas”, finalmente, é soneto digno da poesia moderna, à qual Patativa, mesmo sendo averso, acabou experimentando talvez involuntariamente.

A força da poesia de Patativa do Assaré está de fato na sua oralidade. Em muitos poemas, o autor sugere um interlocutor, geralmente algum “sinhô dotô”, a quem será confiado um causo, um desabafo, um lamento ou até um protesto. A referência a um interlocutor confere ao poema aquele tom de “conversa” ou “dedo de prosa”, tornando-o ainda mais próximo do leitor, que faz papel de quem está com os ouvidos atentos àquela descontraída prosa gostosa de interior.

Ler Cante Lá que Eu Canto Cá foi uma experiência maravilhosa, ainda que um tanto cansativa pela extensão da obra que, como já disse, privilegia os aspectos mais sofridos da Região Nordeste. Mas, afinal, passei a admirar ainda mais Patativa que tanto amou a poesia e o sertão, que não soube viver sem ambos.

Avaliação: ★★★

Daniel Coutinho

*** 

SKOOB: http://www.skoob.com.br/usuario/1348798
Escreva para o blog: autordanielcoutinho@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário