quinta-feira, 4 de julho de 2019

Cada Forma de Ausência É o Retrato de uma Solidão, de Marco Severo - RESENHA #102

A ojeriza que dedico à literatura contemporânea felizmente não me impede de reconhecer um grande talento quando o tenho à vista. Há algum tempo aplaudi com entusiasmo as crônicas de Bruno Paulino em A Menina da Chuva; desta vez, apresento – a quem porventura ainda desconheça – um dos melhores contistas vivos que tenho lido nos últimos tempos, o senhor Marco Severo.

O amigo e poeta Léo Prudêncio – outro talento de nossos dias, de quem aguardo ansiosamente uma terceira coletânea de haicais – foi quem teve a gentileza de me apresentar o trabalho de Marco através do livro Cada Forma de Ausência É o Retrato de uma Solidão (2017). O título, assim longo, já não me agradou muito, sugerindo talvez uma proposta similar à daqueles poetas que, quando se aventuram pela prosa se ficção, acabam se embananando. A coletânea de Marco, felizmente, é outra praia.

Dono de um estilo que envolve e cativa às primeiras linhas, o contista nos oferta histórias marcadas pela oralidade e por um admirável poder de fabulação. Não poucas vezes eu me sentia roubado e interrompia a leitura para comentar interiormente “Eu queria ter escrito isso”. Longe de querer ser pretensioso, vi alguma semelhança entre o estilo de Marco e o meu próprio, embora não seja muito difícil determinar qual de nós tece sobre assuntos mais amenos.

Há quem possa desgostar do trabalho em questão justamente pela persistência dos temas funestos, mas, para mim, o tratamento dado a cada uma das histórias punha os aspectos lutuosos em segundo plano. Ficava tão fascinado com a técnica narrativa, com a evolução dos enredos, com a correção da escrita (sim, eu disso isso mesmo!), que difícil será passar a esta resenha todas as impressões que tive das histórias de que mais gostei, que não foram poucas.

Do conjunto de vinte e duas histórias, pois, destacarei sem prolongar-me muito (prometo!) os oito contos que mais rutilaram aos meus olhos.

“O lado de cá da prisão” talvez seja o conto que mais dialoga com o título do livro. Alonso precisa deixar a cidade para comparecer ao enterro da avó. Sua frieza em relação à ocorrência, como também seu tratamento com a família, revelam um distanciamento perturbador, um sentimento que só poderá ser expelido diante de uma perda notadamente mais significativa para ele.

Em “Mudança”, o pequeno Daniel, não obstante os problemas de sua própria casa, acaba deparando-se com dilemas de natureza mais grave a partir da figura do solitário Charles, o menino em corpo de homem, tão carente de atenção. “Omnia mutantur” nos apresenta Lourenço, que acaba assumindo para a vida real a personalidade feminina que criara para assinar seus livros. É surpreendente o processo de libertação por que passa o personagem, especialmente a partir do momento em que deixa de escrever, afirmando assim a consistência da identidade de Vivian Ferraz.

“A âncora encoberta pelo mar” põe em cena a maravilhosa tia Lucrécia, que, com sua formidável trajetória, protagoniza sem dúvida um dos três melhores contos do livro. “Grande e duro” e “Na contramão” exploram aspectos mais introspectivos de seus personagens e das situações vividas por eles, trazendo à tona para o leitor, a partir de um estilo poético e reflexivo, uma autoanálise sobre quem somos, com quem vivemos e onde habitamos.

“Curral” mostra a que consequências pode chegar um caso de Bullying. Ronaldo, molestado por colegas na infância, sofrerá na vida adulta o resultado daquela violência, que finalmente lhe renderá um triste destino. “Fofura” possui um título autodescritivo. Conquanto não seja menos triste que outras histórias do conjunto, há uma aura de esperança nele na figura de um simpático cachorrinho e de seu possível continuador.

O livro de Marco Severo, de forma geral, está excelente, salvo por um ou outro detalhe no que se refere a escolhas questionáveis em histórias como “O relógio do coelho de Alice” e “Uma infinita solidão”. No mais, o livro revela-se de uma grandiosidade literária que há tempos não encontrava dentre os meus contemporâneos. É, gente, nem tudo está perdido rs!

Avaliação: ★★★★

Daniel Coutinho

P.S.: Por último, mas não menos importante, esquecia-me mencionar um dos pontos mais elevados da coletânea de Marco. Sônia Abrão, que já havia dado mostras de seu maravilhoso talento de atuação no clipe de Pepê & Neném, aparece brilhantemente no conto “Caminho aberto a facão”, em participação mais que especial.

*** 

SKOOB: http://www.skoob.com.br/usuario/1348798
Escreva para o blog: autordanielcoutinho@gmail.com

2 comentários:

  1. Olá, eu terminei a leitura desse livro muito emocionada, achei as histórias bem cruéis, reveladores e muito triste. Infelizmente, não consegui sentir muita esperança na humanidade quando terminei a leitura do último conto mas, amei a escrita do autor e os meus contos favoritos são: "O importante é ter Deus no coração", "Glorinha, de olhos abertos", "Curral" e "Noticias populares"

    Viviane Almeida
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Viviane! Este livro do Marco (único que li do autor) está mesmo muito bom! Apesar dele acabar com o emocional da gente hehe, a escrita e os temas são muito bem trabalhados. Grande abraço!

      Excluir