segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Depois do Verão (Long After Summer), de Robert Nathan - RESENHA #32



Depois de uma onda de livros de horror, precisava descansar o cérebro de tanta tensão rsrsrs. Não poderia ter feito escolha mais acertada ao pegar Depois do Verão. Penso que em outras circunstâncias, teria desdenhado o livro, o que me leva a pensar no quanto pesa o fator circunstancial na hora de avaliar uma obra. Qualquer dia, tendo tempo, faço uma postagem especialmente para explicar os critérios que utilizo, como também definir o perfil dos livros que recebem de uma a cinco estrelas.

Depois do Verão (1948), do norte-americano Robert Nathan, é um dos romances mais despretensiosos que já li. Provavelmente tenha sido isso mesmo o que mais me agradou nele. Sendo aparentemente uma história trivial, concentra uma beleza peculiar, típica do autor, e que a crítica costuma chamar de “Nathan’s touch” ou “toque de Nathan”. A obra dele ganhou fama no Brasil graças à tradução que Erico Verissimo fez do romance O Retrato de Jennie. O “toque de Nathan” é... como posso dizer... encantador! Mas a percepção desse encanto dependerá sempre do grau de sensibilidade do leitor. Diante de um amante da poesia, é bem provável que a obra de Nathan seja um deleite, pois a mesma se caracteriza pela delicadeza de sua abstração. Como não sou muito afeito à poesia, não me deleitei tanto com a prosa poética deste livro; não obstante, aproveitei o suficiente, de maneira que, para mim, Depois do Verão foi uma espécie de terapia.

A trama não tem nada demais além de certa excentricidade. A força do livro está no minimalismo do autor que, de maneira simples, constrói uma narrativa que preza pela simplicidade e pureza dos sentimentos. Impossível não aludir ao Romantismo. Nathan foi, sem dúvida, um neorromântico. A singeleza e graciosidade de seu estilo, como também uma tendência pessimista acompanhada de descrições melancólicas, vêm confirmar tal observação. A premissa do livro parece ser a despreocupação dos jovens com o fatalismo do mundo real. O narrador-personagem é um verdadeiro pensador da fragilidade humana e efemeridade da vida. Seu nome não é revelado, sugerindo talvez ser o próprio Nathan que, assim como ele, gostava de velejar em Cape Cod.

Nosso narrador anônimo é um solteirão de vida simples e tranquila. Precisando de uma secretária para cuidar dos serviços domésticos, ele decide consultar seu amigo Manuel Pereira e Josie, sua esposa. O casal Pereira receberia naqueles dias uma órfã, prima de Josie; mas por ter apenas 14 anos, Joana é logo descartada para o trabalho. Quando o narrador repentinamente adoece, Manuel acaba mandando Joana para cuidar do amigo. A garota, em sua extrema simplicidade, mostra-se uma companhia agradável e bastante responsável no cumprimento das tarefas do lar. A seu amo, porém, não passam despercebidas as misteriosas circunstâncias em que apareceu aquela parenta ignorada dos Pereira, como também a reação positiva da menina estando em sua casa, na companhia sua e de Penny, uma adorável cachorrinha. Joana não aparenta ter estima pelos parentes, e estes tampouco por ela.

Por intermédio de seu amo, Joana conhece Jot, um garoto da sua idade. E aqui não poderia deixar de comentar a puerilidade do elemento amor na obra de Nathan. Não se reconhece nela a sensualidade e lascívia do amor carnal. O amor se manifesta como um elemento assexuado. Que não se confunda, contudo, puerilidade com ingenuidade. O que ocorre em Depois do Verão é uma manifestação contrária ao fatalismo do mundo, a partir de uma busca desenfreada pelo “belo”. É como diz o narrador: “— Talvez seja porque há tanta dor neste mundo que eu não posso suportar a perda da menor parcela de beleza.” (pág. 162). Nathan mostra-se um estilista da palavra, interessado tão somente em expressar suas impressões do mundo. Quando o narrador reconhece a felicidade despreocupada que sentem Joana e Jot, lamenta saber, mediante suas próprias experiências, que tudo aquilo seria passageiro, uma emoção que provavelmente não duraria mais que um verão.

De fato, quando Joana, sem esperar, é assolada por esse fatalismo tão combatido por Nathan, não encontra forças para seguir em frente. Sua mente maquinalmente realiza um retrocesso e Joana começa a voltar no tempo, dia após dia, sempre no sentido inverso, até chegar finalmente ao momento de encarar seu passado, antes de chegar à casa dos Pereira. Sim, deixei aqui uma lacuna em relação à causa desse sofrimento, do qual Joana foge com a estratégia involuntária de que já falei; pois não quero dar spoiler! Mas de antemão, previno aos leitores que se preparem às várias lacunas deixadas por Nathan. Depois do Verão é daqueles livros que não encerram em si mesmos. O leitor chegará ao desfecho desejando saber uma porção de coisas, a começar pelo propósito desse livro. Parece uma história sem finalidade alguma ou mesmo um fragmento de uma obra maior. Você termina o livro e não acredita que acabou.

Uma curiosidade engraçada é que Robert Nathan tinha uma superstição de que somente seus títulos com três palavras fariam sucesso, talvez por sua fama ter despontado com One More Spring. Quando traduzido, Long After Summer deveria chamar-se “Muito Depois do Verão”, mas os editores brasileiros optaram por seguir a superstição do autor ao escolher o título Depois do Verão. Como disse, a leitura foi mesmo uma terapia. Mesmo tendo gostado, confesso que fiquei bastante intrigado com as lacunas deixadas por Nathan. O desfecho da história também não me pareceu muito acertado, beirando a incoerência. No mais, foi um livrinho bonitinho, sensível e poético, mas bastante melancólico também.

Avaliação: ★★★

Daniel Coutinho

*** 

SKOOB: http://www.skoob.com.br/usuario/1348798
Escreva para o blog: autordanielcoutinho@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário