quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Croma, Caminho de Vida, de Regis Castro - RESENHA #149

Conheci a literatura de Regis Castro por volta dos meus quinze anos, através do romance Raïssa, leitura da qual, hoje tenho certeza, deixei escapar muita coisa. Regis é mais conhecido por seus diversos livros católicos, alguns deles escritos em parceria com Maïsa Castro, sua esposa. No que se refere à prosa de ficção, além de Raïssa, publicou outros três romances: Croma, Caminho de Vida (1967), Barby e Pique.

Regis, a meu ver, pertence ao rol daqueles escritores injustiçados, já que suas qualidades literárias são inquestionáveis. Sua escrita cuidadosa e delicada merecia mais atenção do público e da crítica, e, talvez por esse descaso para com sua ficção, o escritor tenha engavetado sua pena de romancista.

Croma, Caminho de Vida (posteriormente publicado como Croma, um Caminho para a Vida) é seu romance mais conhecido, tendo ganhado várias reedições. Conta a história de Fernando Torres, um seminarista prestes a realizar seus votos sacerdotais. Para este fim ele embarca no navio Croma, rumo a Itália, mas seu companheiro de cabine, o psicanalista Álvaro Ruiz, convence-o a encarar uma experiência que põe à prova a vocação de Torres.

A experiência consiste em omitir as intenções religiosas do seminarista, fazendo-o passar por um rapaz comum no navio. Em pouco tempo, ele trava diálogo com Odete, uma jovem interessante, órfã de pai, que dedica-se à poesia a fim de escapar da relação conflituosa com a mãe, mulher exigente que discrimina todos os pretendentes da filha.

Ruiz, ao tomar conhecimento da nova amizade de Torres, alerta-o para a necessidade de que o mesmo não se prenda exclusivamente aos encantos de Odete, incentivando-lhe outras relações. Seguindo o conselho do médico, o moço acaba conhecendo Rosely, uma jovem em tudo diferente de Odete, a despeito de seus muitos atributos físicos.

Enquanto mantém contato com as duas moças, Torres, durante as refeições, conta a Ruiz a história de sua vida, tentando esclarecer os motivos que determinaram seu desejo de querer tornar-se padre. A experiência proposta pelo médico, no entanto, deixa-o numa difícil encruzilhada: escolher entre suas inclinações sentimentais e religiosas.

A narrativa de Croma é muito bem conduzida quase que em sua totalidade. O autor constrói um ritmo interessante ao intercalar a experiência de Torres com a história de sua vida, mostrando as decepções do passado, seus amores frustrados, seu instinto filantrópico e suas dúvidas em relação ao futuro, a qual caminho seguir.

Senti, contudo, o final um tanto apressado que, mesmo não sendo incoerente, poderia ter sido melhor desenvolvido. A rapidez com que Torres muda de ideia nos momentos finais do romance é sem dúvida o ponto mais questionável do livro. Mas, não obstante este ou aquele senão, a obra de Regis Castro revela o grande talento de um prosador que merecia ser mais lido.

Avaliação: ★★★★

Daniel Coutinho

***

Instagram: @autordanielcoutinho

SKOOB: http://www.skoob.com.br/usuario/1348798
Escreva para o blog: autordanielcoutinho@gmail.com

2 comentários:

  1. Li Raissa há muitos anos, quando frequentava assiduamente a igreja. Não sabia que o autor tem outros livros, e Croma me pareceu um tanto interessante. Fiquei curioso e mais curioso ainda quando vc disse que pretendia escrever sobre o tema. Rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preciso reler "Raïssa", pois não era maduro suficiente para entendê-lo quando o li. "Croma" é um ótimo livro e rapidinho de ler. Uma pena que Regis seja tão pouco conhecido enquanto ficcionista.

      Excluir